Volei e DYYSG Versão para impressão

ARTIGO hoje JORNAL O JOGO -18.ABRIL 2009
Método de Paulo Araújo aprovado

 

Ao início estranha-se, mas depois entranha-se. Foi mais ou menos assim que reagiram os jogadores vimaranenses aos métodos da filosofia chinesa que Paulo Araújo trouxe ao quotidiano da equipa. Nélson Brízida, por exemplo, que até estuda fisioterapia, é um dos adeptos. "Este método ajuda, especialmente depois dos treinos mais intensos", garante, sem esconder, no entanto, as reticências iniciais: "É normal que algumas pessoas fiquem cépticas, mas toda a gente acolheu bem".

Rogério de Paula quer manter este apoio

 

Rogério de Paula é o responsável pela chegada a Guimarães de Paulo Araújo, que tem trabalhado a componente mental da equipa. "Não faltava nada à equipa. Acredito que uma equipa de alto rendimento tem de ter um respaldo psicológico. Achei que era o momento. Futuro? Ainda não falámos. O projecto é o desta época. Mas claro que gostaria de manter", explica o técnico, mestre em psicologia desportiva. Um método "inédito no voleibol", que já começa a dar frutos, apesar de ser "um processo lento. Mas o que importa é que os atletas estão abertos a novas metodologias", diz.

Filosofia oriental é o segredo

A.G.R.

 

Dao Yin Yang Sheng Gong. Não, não é erro de escrita. Estas palavras foram o segredo bem guardado do Vitória de Guimarães, que ajudou à vitória na final da Taça. Tudo se resume a exercícios físicos e respiratórios, da tradição milenar chinesa que, segundo os especialistas, potenciam o equilíbrio de energias e ajudam no controlo da ansiedade.

Paulo Araújo é o representante deste ramo da medicina chinesa na Europa. Mestre na escola de artes marciais e cultura chinesa She-Si (ver caixa), foi chamado a trabalhar com os campeões nacionais num projecto pioneiro. "O início foi estranho mas a planificação do Rogério de Paula [treinador vitoriano] foi bem feita. Pouca gente tem capacidade para estar de mente aberta e inovar com algo milenar", explica Paulo Araújo.

Este antigo comando é, aos 42 anos, a imagem viva da serenidade. Desde os seis que abraçou "o modo de vida chinês" e nesta fase final do campeonato tem trabalhado duas vezes por semana com os vimaranenses. "Foi criado um lema para esta equipa: crescer para vencer. No primeiro dia expliquei o meu trabalho e, a partir daí, foi uma conquista permanente", explica Paulo Araújo. "Neste momento, faz parte da equipa técnica do Vitória", garante Rogério de Paula, frisando: "com o acordo da direcção".

O trabalho do mestre em Dao Yin traduz-se em exercícios respiratórios ("Ganso Selvagem Contemplando a Lua", que se centra na vontade, trabalhando os rins, e o Dragão Bebe Água, que harmoniza o corpo, são os mais executados), bem como em técnicas de controlo de ansiedade e de motivação. "Para a final da Taça foi feito um trabalho específico com o Adriano Lamb. E mais não digo", atira, com um sorriso enigmático. A sua explicação para o sucesso é simples: "o Espinho é uma equipa forte, mas o Guimarães nunca perdeu o norte. Quando as equipas são próximas, a diferença está na atitude. E o sucesso não se centra num único jogador, mas na equipa. Quando um atleta está a 90 por cento, outro colega está a 110", explica.

Agora, com cerca de um mês de trabalho, o mestre Paulo Araújo acredita ter "um exército" pronto para "ganhar o campeonato". Não é por acaso que "A arte da guerra", de Sun Tzu", é o seu livro de referência.